Festividade do Conjunto Jardim do Senhor

Eu indico!

Festividade do Conjunto Jardim do Senhor (2011)

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Informação é tudo.



O que é indisciplina

Por trás desse problema - visto pelos professores como um dos principais entraves da boa Educação -, há a falta de conhecimento sobre o tema e de adequação das estratégias de ensino


Sua paciência está por um fio. A garotada voa pelos corredores, conversa em sala, briga no recreio, insiste em usar boné e em trazer para a sala materiais que não são os de estudo. Cansado e confuso, você se sente com os braços atados e a autoridade abalada. Não suporta mais as cenas que vê e não sabe o que fazer. Quer obediência! Quer controle! Quer mudanças no comportamento dos alunos!


Calma... Respire... Se você sonha com uma turma atenta e motivada, a primeira mudança necessária talvez esteja em você. É hora de rever sua ideia de indisciplina e o que há por trás dela. Pesquisa realizada por NOVA ESCOLA e Ibope em 2007 com 500 professores de todo o país revelou que 69% deles apontavam a indisciplina e a falta de atenção entre os principais problemas da sala de aula. Doce ilusão! O comportamento inadequado do aluno não pode ser visto como uma causa da dificuldade para lecionar. Na verdade, ele é resultado da falta de adequação no processo de ensino.

Para que você avance nessa reflexão, é preciso entender que a indisciplina é a transgressão de dois tipos de regra. O primeiro são as morais, construídas socialmente com base em princípios que visam o bem comum, ou seja, em princípios éticos. Por exemplo, não xingar e não bater. Sobre essas, não há discussão: elas valem para todas as escolas e em qualquer situação. O segundo tipo são as chamadas convencionais, definidas por um grupo com objetivos específicos. Aqui entram as que tratam do uso do celular e da conversa em sala de aula, por exemplo. Nesse caso, a questão não pode ser fechada. Ela necessariamente varia de escola para escola ou ainda dentro de uma mesma instituição, conforme o momento. Afinal, o diálogo durante a aula pode não ser considerado indisciplina se ele se referir ao conteúdo tratado no momento, certo?

Não é fácil distinguir entre moralidade e convenção. Frequentemente, mistura-se tudo em extensos regimentos que pouco colaboram para manter o bom funcionamento da instituição e o clima necessário à aprendizagem em sala de aula. "As crianças não enxergam a utilidade de um regimento ou dos famosos combinados que não se sustentam. Elas não sentem a necessidade de respeitá-los e acabam até se voltando contra essas normas", explica Ana Aragão, da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

A situação piora ainda mais se essas convenções se baseiam em permissões, proibições e castigos sem nenhum tipo de negociação. Se isso funcionasse, as escolas estariam todas em paz. Esse caminho - o mais comum - é tão claramente ineficaz que se tornou um dos principais motes das tirinhas de Calvin, o personagem questionador e cheio de personalidade criado pelo cartunista norte-americano Bill Watterson. Desde 1985, ele dá um baile na professora, mesmo sendo advertido constantemente. Nesta reportagem especial, você verá que as situações vividas por ele refletem uma concepção equivocada, por parte da escola, sobre as causas da indisciplina e as formas de lidar com ela.

Universal Press Syndicate
FALTA DE AUTORIDADE O que se espera da escola é conhecimento.
É isso que faz o aluno respeitar o ambiente à sua volta. Se a aula está
um tédio, ele vai procurar algo mais interessante para fazer. Universal
Press Syndicate

Sem sua ajuda, a criança não aprende o valor das regras

O movimento contínuo de construção e reavaliação de regras,
mais o respeito a elas, é a base de todo convívio em sociedade.
Da mesma forma que os conflitos nunca vão deixar de existir na
vida em comunidade - no contexto escolar, especificamente, eles
também não vão desaparecer. Saber lidar com eles faz com que
você consiga trabalhar melhor. Ensinar o tema aos alunos
também é uma tarefa sua. "Esperar que os pequenos, de modo
espontâneo, saibam se portar perante os colegas e educadores é
um engano. É abrir mão de um dever docente", explica Luciene
Tognetta, do Departamento de Psicologia Educacional da
Faculdade de Educação da Unicamp.

Muitos professores esperam, sem razão, que essa formação
moral seja feita 100% pela família. "Não se trata de destituí-la
dessa tarefa, mas é preciso enxergar o espaço escolar como
propício para a vivência de relações interpessoais", pondera
Áurea de Oliveira, do Departamento de Educação da
Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho
" (Unesp), campus de Rio Claro.

As questões ligadas à moral e à vida em grupo devem ser
tratadas como conteúdos de ensino. Caso contrário, corre-se
o risco de permitir que as crianças se tornem adultos
autocentrados e indisciplinados em qualquer situação,
incapazes de dialogar e cooperar. Pesquisa de 2002 com 120
universitários, de Montserrat Moreno e Genoveva Sastre, da
Universidade de Barcelona, indagou sobre a utilidade do que
eles aprenderam na escola para a resolução de conflitos na vida
adulta. Apenas 3% apontaram que os professores lhes ensinaram
atitudes e formas específicas de agir. "Esses resultados certamente
são próximos da realidade brasileira", afirma Luciene. "Nosso estilo
de ensinar é parecido, pois joga pouca luz sobre o currículo oculto,
aquele que leva em conta o sentimento do estudante, seus desejos,
suas incompreensões."
Universal Press Syndicate
DIDÁTICA INADEQUADA Não adianta exigir que os alunos
cumpram as tarefas se a estratégia de ensino e o tema não
dizem nada a eles. Universal Press Syndicate

Um comentário: